A recaída que não deu certo

Uma recaída às vezes faz bem. O pessoal geralmente faz um alarde, tempestade em copo d’água, guerra, já querem até soltar umas bombas em você. Sendo que é uma decisão que só cabe a você, ninguém pode dizer o que fazer.

Aí você vai quer fazer o papel de trouxa, porque antes “era tão bom”. Corre, se arruma, passa hidratante, fica nervosa, fuma uns quatro cigarros de uma vez (parecendo a lady gaga em um dos seus clipes). Não sabe que roupa usar. Enfim, todo o nervosismo como se fosse um primeiro encontro (detalhe, lembre-se que não é um primeiro encontro, é um remember com a pessoa que te magoou).

Então, lá fui eu, lembrando de como os momentos com ele eram bons, exaltava todas as qualidades dele ao máximo, inclusive as sexuais (que no caso eram as minhas preferidas).

Achei que meu coração bateria na boca, que as pernas não me sustentariam, que a voz falhasse quando fosse cumprimentá-lo. Achei que sentiria tudo com mais intensidade. Mas não foi o que aconteceu (os haters podem comemorar).

A noite não foi longa como eram antigamente. A bolha que nos protegia estourou, o universo que conspirava a nosso favor já não era mais nosso aliado. E eu fiquei procurando respostas dentro de mim, para entender como e por que aquilo estava acontecendo. Eu esperei que fosse mágico como todas as outras vezes foram, esperei a intensidade dele explodir, porque antigamente era tão intenso que mal cabia dentro do meu quarto.

Eu fiquei com duas suposições, mas nada concreto, nada que me desse certeza: 1. Eu havia acordado do transe que me encontrara todos os meses que estive com ele. Ou: 2. Eu estava magoada o suficiente para não sentir mais nada.

Não sei o que foi de fato, se eu ficar pensando eu conseguirei mais umas cem hipóteses para esse caso. Talvez eu tenha entendido que aquilo iria ser só um sexo de saudade. E fui sem muita sede ao pote, o que fez com que eu enxergasse aquilo que sempre esteve na frente dos meus olhos…

Boa maneira de não se pensar mais na pessoa. Ótima maneira de não sufocar quando passar por um lugar onde já havíamos estado. Uma ultra, mega, power-ótima maneira de não procurar mais sarna pra me coçar.

A teoria do cristal quebrado se aplica. Jamais poderá ser colado!

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário