Enquanto ainda existir amor

Enquanto ainda existir amor

Fica aqui meu bem, enquanto existir sentimento, café quente e cobertorzinho pra se enrolar nas manhãs de domingo. Mas quando a vontade passar, quando o cobertor abafar, vá embora.

Só fica se for reciproco, se os sorrisos ainda puderem ser interpretados e sentidos mesmo a distância, se a saudade ainda apertar durante a semana. Mas vá embora se deixar de me amar. Vá embora se as brincadeiras tiverem que ser sempre explicadas. E se o final de semana juntos parecer longo ou pesado demais, não fique por pena, apenas parta! Só me diga que não dá mais.

Leia também: Não te espero nem por mais um dia

Quando a gente não tiver mais fogo, nem um abraço apertado, ou um cheiro no pescoço. Quando não houver bom dia animado e vontade de dividir a vida, quando não nos encontrarmos um no outro, por favor, vá embora e bata a porta. Faz a mala, parte, voa. Diga adeus se o essencial morrer. 

Mas enquanto ainda existir amor dos dois lados, fica, senta, conversa, revolve, muda. Enquanto o amor entrelaçar as pequenas coisas não deixa o resto do mundo opinar sobre o melhor a se fazer. Prometo que eu vou fazer o mesmo, enquanto ainda existir amor, ou na falta dele.

Fique se os problemas forem outros e se eles não modificarem nada no que somos como casal. E se quiser lutar pelas coisas boas que realmente temos, olha pra esse caminho que a gente fez e seja sincero. Será que ainda somos quem queremos ser? Não quero que um dia a gente fique acomodado o suficiente pra não conseguir dizer adeus.

Se quiser ficar, por favor, saiba fazer isso. Só lute por nós se o seu sentimento for forte, claro, maduro. Não prolongue dois sofrimentos, não tenha medo de me ferir. Não precisa morrer tentando, saber perder também é preciso. Um amor ímpar não vence.


Hey! Esse texto foi gravado por Caio Morelli, clica aqui e confira!

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Tags : Enquanto ainda existir amor ou na falta deleLetters to youPatrícia Guollo