Essa tal saudade

Nas vagas amanhã surge aquela saudade dos momentos bons, das pessoas ou daquela pessoa que permanece registrada na mente. A saudade chega de mansinho ou as vezes vem furiosa devastando tudo por dentro.

Essa tal saudade é a revelação do que sentimos. Dos pequenos acontecimentos, dos detalhes de traços físicos, dos trejeitos, do som da voz ao nosso ouvido. De cada gargalhada, do modo de se expressar do outro que observamos com absoluta atenção.

A solidão traz a saudade como companhia. Só tem saudade quem tem lembranças. Elas ficam guardadas em algum canto, na bagunça de nossos sentimentos, como uma recordação bonita ou um momento para se reviver.

Assim como a recordação, a imaginação sente saudade dos momentos que estavam para acontecer, do futuro incerto, mas compartilhado, repleto de carinho e sorrisos.

As recordações também nos fazem mais vulneráveis ao sofrimento

Pois a saudade deseja ter de volta, o que já não nos pertence, o que já se foi e pelas circunstâncias da vida não vai estar ao nosso lado, para matarmos a saudade.

Existe aquela saudade de fim de semana, em domingos chuvosos. Ah!! Essas são de acelerar o coração, ela deita ao nosso lado enquanto assistimos um filme e começar a nos contar sobre a falta. Qualquer cena demonstra que podíamos juntos, discutindo-a, em todo diálogo ela nos faz chorar.

Os poemas estão repletos de saudade, saudade de corpo, saudade da alma. Saudade de palavras, saudade de sentimentos, saudade que se transforma em raiva, saudade do amor que permanece e saudade do que nunca aconteceu.

Cada saudade é uma história a ser contada às pessoas, nos inspira a escrever, quando não cabe no peito ela se transborda em palavras e também em vida. A saudade é a certeza que vivemos, não somente passamos pela vida.

Há pouco tempo para se viver, há pouco tempo para sentir saudade, não podemos desperdiça-lo com hipocrisias, com falas vazias de que não sentimos saudade, já dizia uma música: “cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração”, como cada um sabe a saudade que carrega no coração.

Essa tal saudade é o motivo da espera

De se viajar milhares de quilômetros de distância por um abraço, é declaração ao outro, são sorrisos, lágrimas e despedidas. A saudade é o que compõe nós como seres humanos.

A alma se alimenta dessa tal de saudade. Dos momentos e os minutos que valeram a pena, de que se amou por si, de que se amou por dois, o que nos mantém imortais diante das coisas ruins. De que fizemos o que queríamos fazer, as saudades preenchem a alma sem arrependimentos e sem vergonha de sentir.

Não espere o amanhã, nem que seja para dizer baixinho: – Estou com saudade, o pior ressentimento é viver com palavras presas, do que não disse e do que não sentiu. Dê ouvidos ao que vem de dentro! Deixa a saudade tomar conta de ti, se deixa libertar, transmitir, querer, perder a razão e até errar – sinta saudade.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

COMPARTILHAR
Artigo anteriorEm um segundo, você pode não estar mais aqui
Próximo artigoEu não vou me comportar
Natural de Joinville- SC. Estudante de administração e pós graduação em inteligência de negócios. A escrita faz parte de minhas necessidades básicas. Apaixonada por música, poesia, conexões mentais entre as pessoas e acredito que a felicidade pode ser encontrada em meio à poesia e a rotina.