Fascínio | #4

Não são só os teus olhos que me fazem querer cantar, é o teu corpo todo, a tua alma. Desde o começo eu já me sentia assim, mesmo tentando por um tempo me enganar. Sempre foi intenso, sempre foi tão claro e reluzente, como uma corrente de água que carrega os males pra longe, deixando só a vontade de te ter mais, de te amar mais e de ser pra sempre sua.

Foram as risadas, as notas e as composições que nos transformaram em uma essência única, uma gota minha no teu mar, um mar inteiro tão seu, tão tanto de mim. E tudo vem de todos os lados, vem de dentro e vem de fora, do coração e das manias, daquele teu jeito de falar mansinho, que me versa em um ritmo mais leve que o próprio ar.

Minha loucura se preencheu de calma e o teu silêncio se recheou de impulso, uma transformação que se soma em dois, que em tanto tempo ainda se querem, como se o primeiro olhar permanecesse vivo, em chamas.

Nosso barco, nosso caminho, nossa persistência em busca do real, que se move em meio a fantasia de viver um amor sentido. Amor que se alimenta de mim, que se alimenta de você. Desse teu jeito engraçado de se espreguiçar, desse teu medo de me beijar com gosto de café, da tua música feita de nós, que traz no reflexo da íris a real intensidade das cores.

São códigos linguísticos, olhares tão entendíveis, gestos cheios de significado que compõem o nosso jeito de se misturar. Atitudes tão opostas que se desenvolveram em uma combinação singular, como o preto e o branco, o doce depois do salgado, a lua e o sol no mesmo céu.  E dentro desse universo tão nosso eu me encontro e te encontro em mim, entrelaçando nossos caminhos, arquitetando o nosso lar, que hoje se estabelece nas vestes do nosso amor.


Esse texto faz parte da série Morada, que traz a história da construção de um relacionamento de três anos. O conto será composto pelas fases mais marcantes, desde os seus primeiros passos.  Perdeu algum texto da série? Clique nos links abaixo e acompanhe!
Match | #1
Degustação | #2
Vício | #3

 

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDe você só me resta a saudade
Próximo artigoNão podemos mais nos calar
E entre sons e cores me transbordo em existir. Me apaixono pelo que sinto, sem medo me entrego a vida. Falo muito, rio alto, quero sempre mais música, mais magia, mais seriados. Me distribuo entre o amor pela fotografia e pelos meus livros. Uma Jornalista em constante mutação, sem medo do mundo e com sede de aprendizado.