A triste geração que acha que amar é um defeito

Você está lá, despretensioso(a) com a vida e conhece alguém. Um boy, uma mina, sei lá, alguém… Vocês trocam mensagens e essa pessoa se mostra interessante. Interessante mesmo! Daquelas pessoas que dá vontade de ficar o dia inteiro grudado no celular, conversando sobre absolutamente tudo.

Então vem o segundo passo, vocês marcam para sair… Se conhecem em um desses barzinhos da cidade, o papo flui naturalmente e as trocas de olhares e as risadas são constantes. Vocês estão se curtindo para valer. O interesse é mútuo e a vontade de um romance é ainda maior.

Até então, ninguém tem planos para absolutamente nada. Você não quer namorar e provavelmente, nem a pessoa. Estão apenas se conhecendo e muito provavelmente já tiveram a mesma experiência com outras pessoas. Mas a atração um pelo outro se mostra diferente, rolou aquela famosa química.

No dia seguinte…

A noite foi perfeita, vocês se conheceram, conversaram e enxergaram as milhares de coisas que têm em comum. Se beijaram e talvez até rolou algo a mais. Ótimos indícios para continuar ali uma linda amizade ou um grande amor. Por que não?

Então você acorda no dia seguinte, manda aquela mensagem dizendo o quanto foi gostosa a noite anterior e claro, desejando-lhe um bom dia. Normal, vocês são adultos e demonstrar para a outra pessoa o quanto essa experiência foi agradável, da uma margem para que outras noites como aquela aconteçam.

Ai vem o problema. Estava tudo certo até então, mas depois da mensagem e a resposta fria, o jogo muda. A pessoa vai se afastando devagar. Começa mandando cada vez menos mensagens. Até que simplesmente para e some.

Aonde essa pessoa foi parar? O que faz? Como vive?

Parafraseando um poeta contemporâneo; ás vezes nem é! Mesmo assim, a pessoa deu o famoso chá de sumiço e desapareceu no universo. Tudo isso por conta do medo desse tal amor. Que pega as pessoas e dilacera. Deixa os corações em milhares de pedaços e a mente completamente fodida.

Você provavelmente conhece esse bicho papão chamado amor. Ele realmente é um monstro, não é? Claro que não! Mas essa nova geração, calma, não tem a ver com idade! Essa geração é composta por homens e mulheres de praticamente todas as idades. Essas pessoas que acham que amar é um defeito é bem antiga e simplesmente vão passando essa ideia como um mantra. Amar é ruim, namorar é ruim, casar é ruim. Qualquer coisa a dois que não seja apenas um encontro casual, é ruim.

São pessoas que já passaram ou passam por um relacionamento frustrado e saem por aí pregando que o amor não existe. Em compensação, existe outras tantas pessoas vivendo coisas incríveis. No fim, em quem acreditar? Para essas pessoas que teimam em acreditar que amar é ruim apenas porque passaram por um relacionamento que não deu certo, recomendo esse texto:

Olhar para dentro de si é um desafio

Para você que ainda acredita, mas tem muito medo, segue o texto…

O que eu quis dizer com “ás vezes nem é”? É que realmente ás vezes não iria acontecer. Não iria rolar um namoro, muito menos um amor desses de novela mexicana. Aqueles que duram 48544547 episódios de 45 minutos, aonde os dois passam por absolutamente tudo, mesmo assim continuam se amando.

Mas a pessoa mesmo sem saber o futuro, simplesmente se afasta por achar que uma mensagem no dia seguinte, signifique uma coleira. Sim, uma prisão dessas de força máxima. Aonde o prisioneiro é privado até mesmo de respirar. Calma meu chapa, a vida não é assim! Não dá para adivinhar o que virá sem ter experimentado, a não ser que você seja a mãe Dina, o que eu acho meio difícil…

A verdade é que a pessoa se privou de muitas coisas boas, e como eu disse, não estou nem me referindo a um relacionamento amoroso. Talvez outros encontros casuais ou uma daquelas amizades incríveis. Mas a pessoa fez uma escolha, que envolve diretamente o sentimento de outra. Está no seu direito? Sim! Claro que está. Se ela não quer ter um relacionamento (entenda relacionamento como uma interação social) sim, ela tem todos os direitos de se afastar.

E a outra pessoa? No caso aquela que não teve medo de demonstrar o que sentiu. Como ela fica?

Demonstrar afeto nunca será algo ruim

Você deve estar jurando para você mesmo nesse exato momento que nunca mais enviará uma mensagem no dia seguinte. Que se a pessoa te mandar uma mensagem, você demorará para responder. Que agora você fará o famoso jogo duro…

Não, para, está tudo errado!

Não é porque um infeliz não te respondeu, ou respondeu de modo frio, ou simplesmente desconversou que você precisa agir do mesmo modo. Esses joguinhos da atração, do famoso correr atrás, é a mais pura idiotice. Isso machuca as pessoas, sendo que muitas vezes são os dois lados que saem feridos. Muitas vezes ambos estão desejando a mesma coisa, mas por causa dessas regras de como agir para fazer a pessoa gostar de você, acontece o sentido oposto.

De qualquer modo, se a pessoa se afastou de você porque simplesmente você demonstrou que gostou. Amigo(a) o problema não é seu! Não se culpe por ser honesto com você mesmo e com a outra pessoa. Se ela não está afim, azar o dela. Sem essa de que eu devia ter feito algo diferente, ter sido mais frio.

Se não aconteceu, talvez mesmo com qualquer outra atitude, também não aconteceria. Então se livra desse peso. Demonstrar sentimentos nunca será um erro. Ainda mais no mundo em que vivemos que as pessoas simplesmente não sabem mais o que é ser honestas uma com as outras.

A triste geração que acha que amar é um defeito

No fim, a maioria das pessoas está querendo um mozão para ficar o final de semana em casa vendo Netflix (Alooo Netflix, olha o jabá). Mas essa coisa de que amar é ruim, de certos joguinhos na dança do amor e de tudo que é pregado sobre estar solteiro é o melhor para vida, vão matando algumas coisas e entre elas está o amor.

Por favor, pare de pregar para as pessoas esse mantra do desapego. Se amar é bom? É, claro que é! Na verdade, é essencial, mas isso não tira a graça de amar outra pessoa. É ótimo que as pessoas entendam isso e de que alguma forma, vivam melhores consigo mesmas. Mas isso não muda o fato de que amar e ser amado é maravilhoso. Inclusive, leia o texto:

Solidão ou liberdade?

Realmente não existe nada como a sensação de amar e ser amado. Quem já experimentou sabe do que estou falando e se você ainda não experimentou. Talvez devesse largar um pouco esse manual de joguinhos que alguém te passou. Deixa o coração e a mente livre!

Estando com essas barreiras jamais saberemos se valeu ou não a pena ter arriscado. Mas a graça é justamente essa. Agir com sua vontade, da sua maneira. E mais uma vez, a culpa não é sua se a outra pessoa não está afim. Pare de se sentir culpado!

A maior barreira para se jogar de cabeça

Com toda certeza uma das maiores barreiras para você se arriscar em um novo amor se chama decepção. Talvez você como muitos de nós já viveu algo em sua vida e que de algum modo terminou sendo doloroso para você. É completamente normal passarmos por relações frustradas. Principalmente aquelas em que nos jogamos de cabeça, fazemos realmente de tudo para que de certo e simplesmente não acontece.

Quem nunca sofreu por amor que atire a primeira pedra. Sim, é extremamente comum isso. Tão comum quanto não querer repetir as ações por achar que foram elas que fizeram o relacionamento não dar certo.

Existem muitas coisas que podem nos levar ao fim de um relacionamento e com certeza, as atitudes de uma pessoa são uma delas. Mas antes de qualquer coisa, façamos uma análise. Nem todas as atitudes devem ser cortadas. Se você errou, ok, corrija. Mas não ache que demonstrar afeto foi o que levou ao fim do seu relacionamento. Se foi, a outra pessoa tem problemas.

Não faz sentido…

Não faz sentido você entrar em um relacionamento aonde as pessoas não demonstram afeto. Você está namorando uma pessoa, com sentimentos, emoções e tudo que nos torna seres humanos. Se fosse para namorar com alguém sem coração, namore com uma parede, ou com um iceberg, pois talvez ele seja mais quente.

Se a outra pessoa não sabe demonstrar o que ela sente, ou se sente incomodada por você demonstrar. Cai fora! Seu amigo aqui não confia em pessoas que não demonstram sentimentos. Ok, talvez seja uma barreira que ela tem e que possa ser derrubada. Mas vamos lembrar, ela precisa querer derrubar isso.

De algum modo, se o termino acontecer por causa do excesso de carinho, de demonstração de afeto, lembre-se: nunca será sua culpa. Deixa essas regrinhas de lado e o medo de se apaixonar. A vida é curta demais para nos privarmos de certas coisas, principalmente daquelas que queremos muito fazer. No fim, as coisas se resumem a isso, querer ou não fazer e se você quer, faça!

Pense comigo: será que mandar uma mensagem no dia seguinte realmente afasta uma pessoa que está tão interessada quanto você? Não gente, não!


Você já viveu algo assim? Vamos falar de amor? Então deixe sua opinião nos comentários.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário