Match | #1

É de manhã. A cara bagunçada no espelho me faz lembrar a noite de ontem. Pasta de dente, escova, você. O sorriso sobe e as imagens fragmentadas começam a aparecer. Não que eu consiga me lembrar da noite toda, mas as melhores partes surgem como malabares de um sinal fechado, voando no alto, entontando. Um Engov cairia bem.

Engraçado lembrar de como tudo aconteceu, foi inesperado, mas ao mesmo tempo muito bem planejado. O sentimento de desafio cumprido me faz gargalhar. Mas no fundo eu sei, mesmo tentando esconder eu sei, que não foi só mais um cara qualquer. Foi diferente, intenso, encaixou tão certo que chega a assustar. Sinto a boca seca, mas é só vestígio do álcool, será que alguns passos até a cozinha vão me fazer cair?

Barba já me encanta, mas dominar um violão aí é pra matar. Eu realmente achei que depois que te ganhasse ia passar despercebido. Engano meu, que já tô aqui há horas lembrando da noite que passou. Não quero me envolver, não vale a pena arriscar, você sabe que ele pode não ser o que você espera. Mas nada me impede de curtir algumas noites como aquela não é mesmo? Fecha o coração e se joga naquele corpo.

Lembrei que ainda é sábado, um banho. A água gelada caindo na cabeça me traz novamente pro chão. Sorte que já tenho a noite planejada, em outro lugar, longe daquela tentação. Vai ser bom mergulhar na música alta pra não pensar demais. Vai ter tequila! Melhor tirar mais uma soneca pra aguentar. Mas a vontade de marcar mais algumas com ele continua martelando na cabeça. Afinal, aquela foi só uma demonstração do que ainda quero fazer.

Esse texto faz parte da série Morada, que traz a história da construção de um relacionamento de três anos. O conto será composto pelas fases mais marcantes, desde os seus primeiros passos. Clique aqui e continue a história.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

SHARE
Previous articleAll Star
Next articleA gente não sabe o quanto dói, até doer
E entre sons e cores me transbordo em existir. Me apaixono pelo que sinto, sem medo me entrego a vida. Falo muito, rio alto, quero sempre mais música, mais magia, mais seriados. Me distribuo entre o amor pela fotografia e pelos meus livros. Uma Jornalista em constante mutação, sem medo do mundo e com sede de aprendizado.