O mundo está chato

O mundo está chato

Parece que finalmente estamos levantando questões relevantes a serem discutidas para nos tornarmos uma sociedade melhor habitável. Falamos sobre todo o tipo de preconceito, levantamos bandeiras e lutamos por causas onde o maior objetivo é trazer qualidade de vida para minorias. Viabilizar a igualdade e direitos.

Há quem chame essa verdadeira revolução de pensamento, e todas essas mudanças de “mimimi”. Há quem diga que “o mundo está chato”. E não posso deixar de citar a dificuldade que é bater de frente com quem se opõe a luta das minorias. As opiniões contrárias parecem impossíveis de serem mudadas. E sabe por que elas precisam ser modificadas? Porque existem pessoas sofrendo, existem pessoas morrendo! Repressões, estupros, agressões, homicídios, torturas, suicídios. Os números são assustadores!

De um lado o mundo está chato porque você não pode chamar a mulher que sai com quantos quiser de puta, o negro de preto, o gay de viado. E desse mesmo lado tem gente irritada por saber que a cor do cabelo não define inteligência, tampouco sexo define alguma habilidade especifica, etc… Do outro, pessoas que vivenciam a realidade dessas piadas “inocentes” no dia-a-dia, e elas são muito doloridas. Elas são reais. Não veja isso como vitimismo. Muito pelo contrário! Esse outro lado tem pessoas fortes. Sofrem, mas lutam e se posicionam!

Se daqui a cem anos seus netos e bisnetos estiverem vivendo em um mundo melhor, mais justo e sem discriminação, agradeça aos “mimizentos”. Mas se por acaso eles continuarem a viver em um mundo tão desigual, culpe a si mesmo. Por nunca levantar da cadeira e tentar fazer um mundo melhor.

Em algum lugar do planeta, existem pessoas fazendo algo diferente. Desconstruindo pensamentos arcaicos. Se você não está, não é o mundo que está muito chato… É você.

Creditos - Pepsi


Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Tags : agressõesBlog de textosEntre Cabelos e BarbaJuventude ReaçaLutando pela causaMinoriaso mundo está chatoo mundo ta chatoPatrícia Guollopreconceitosofrimento