Quilômetros não detém amor

Por tanto tempo eu corri, procurei, me magoei, procurei de novo, investi em pessoas erradas, sofri mais um pouco. Soprei meu amor por aí aos quatro ventos. Me apaixonei, desapaixonei, chorei e até me senti aliviada quando deixei de gostar. Mas com tudo isso aprendi que jamais o amor deve ser imposto, muito menos implorado. Embora muitas vezes eu realmente queria abrir o coração das pessoas e enfiar amor dentro deles, mostrar o quanto é bonito…

Com todas as desilusões, parei de procurar e tinha decidido dar um tempo pra esse coração que vivia alternando entre placas de “vacancy” “no vacancy.” Eu estava tranquila, sem olhar o mundo com os olhos cheios de amor pra dar. Siiim! Eu tenho necessidade de dar amor, a quem for, mas não queria só isso. Queria alguém que cuidasse, que estivesse a postos quando eu realmente precisasse, alguém que me amasse de volta com a mesma intensidade que eu oferecia meu amor.

Não vim ao mundo pra sofrer por esses amores bostas, se for pra sofrer por amor, ao menos sofra por estar longe, por não poder tocar a hora que quiser. Sofra de ansiedade pela chegada. Sofra por esses quilômetros que separam, mas jamé, jamais mesmo, sofra por não ser recíproco. Eu sei que acontece, a gente não controla o coração e sofrer pela falta de reciprocidade é normal. Eu cansei, cansei de lutar contra meu amor próprio, literalmente, cansei de rastejar.

Ele estava ali

Eis que… Ao meio disso tudo surge aquela luz, estava o tempo todo ali, me seguindo com os olhos, percebendo cada passo meu, cada postagem, cada texto que eu exponho aqui, dos meus amores resolvidos, dos menos resolvidos, das minhas mudanças repentinas de perfeição. Estava dando todos os sinais e eu me fingindo de Cátia cega.

Na verdade, pra mim, era difícil imaginar ter uma pessoa longe, amar a distância? Não dava, não era pra mim. Talvez porque eu fosse muito dependente de carinhos, toques, cuidados e beijos. Mas de que adianta ter isso e ao mesmo tempo não ter? O amor por distância é sincero e puro. É diferente, é amor de verdade, pois a pessoa se apaixona por jeitos e gestos, a aparência fica em segundo plano. Pelo menos é o que eu sinto.

Existem dias em que eu tenho vontade de atravessar a tela do computador. São horas ao telefone, horas em frente ao Skype e ele não se importa se eu estou descabelada, feia ou com a sobrancelha por fazer. Ele só quer transformar essas horas em mais amor, mais reciprocidade e carinho. E eu só quero devolver isso a ele.

Somos um misto de sentimentos, brigas, amor, um ciúme de leve, mais um pouco de brigas, mas por fim, o amor prevalece. E na verdade é só o que deve importar.

Não se importe com o que os outros dizem

Jogue pra longe a negatividade dos outros, as palavras pessimistas, as pessoas pessimistas, tudo que te carregar pra baixo, jogue fora, viva o seu momento. Ame, ame mesmo, o quanto puder!

Abra os olhos, perceba quem realmente se dispõe e deixe de se preocupar com quem não te ligou na manhã seguinte. Ame como se a distância não fosse atrapalhar em nada. Somente ame.

Ei amor, esse mês eu vou? Ou você vem? Ou quem sabe, abre a porta, estou aqui!

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário