Respeite o espaço do outro

Respeite o espaço do outro

É possível que atrás de um sorriso radiante em uma selfie maravilhosa, tenha alguém desanimado. Ou ali more um coração cansado de bater em portas que não iriam se abrir. Todas as pessoas do mundo passam por inúmeras experiências todos os dias, e nem todas são agradáveis e fáceis de digerir, por isso respeite o espaço do outro.

Todo mundo tem uma luta pessoal -ou várias- e absolutamente nada nos concede o direito de julgar, ou criticar uma pessoa por algo que talvez só ela (ou nem mesmo ela) compreenda. O minimo que devemos fazer é manter o respeito.

Leia também: Não perca a sua vida fazendo o que você não quer

A certeza que podemos ter é que julgar apenas por fotos, compartilhamentos e textões, é superficial demais. Isso nos faz perder o melhor lado das pessoas, aquele que a gente não conhece, o lado que a gente com certeza se orgulharia.

Por isso acredito que a experiência de ver além das aparências nos torna mais humanos, mais sensíveis, espontâneos e evoluídos. Se a gente se aprofundasse um pouco mais, nem precisaríamos de um texto chamado “Respeite o espaço do outro”, porque saberíamos que as pessoas são muito mais que um perfil em rede social.

O julgamento e o preconceito são recíprocos

Até aqui já entendemos que aquele conceito formado a partir dos fatores superficiais que estão sendo oferecidos não são de muito valor. Mesmo assim nós fazemos isso o tempo todo.

Rotulamos os fulanos, sicranos e beltranos. Além de separar: Esses são os intelectuais e esses os burros. Esses ali são os baladinha top, esses outros são os alternativos. Esses os esquerdistas, aqueles os de direita. Ah, também tem essa que só fala de amor, a outra de aborto, homossexualidade, religião, ateísmo e etc.

Respeite o espaço do outro, o perfil do outro, as escolhas do outro. As redes sociais não tem culpa de nada. Na verdade somos nós que fazemos isso. Nós que escrevemos todos os dias nossas opiniões, indignações e postamos selfies com legendas lindas. Além disso descrevemos nossa gratidão pelos momentos felizes, conquistas e etc.

O pior de tudo é que mesmo com inúmeras reflexões a respeito, continuamos olhando as fotos e time line das pessoas, e nos damos o direito de rotular: “Nossa, essa pessoa tem mais curtidas do que amigos de verdade; o Fulano não sai da internet, aquele guria posta foto de tudo…”

Por mais que esteja lá pra todo mundo ver, você e eu não temos nada com isso! E o pior, não existe ganho nenhum fazendo esse trabalho de juiz de internet, apenas perda de tempo.

Na verdade, se tem algo que te incomoda no perfil alheio, sinto dizer, mas o problema é único e exclusivamente seu. E se algo te incomoda por não ser importante para você, mas parece/é importante para algumas pessoas, eu tenho uma tática infalível: não curta, não comente, não compartilhe e siga em frente.

Isso serve para as divergências de opinião também. Se for para contribuir para uma discussão construtiva, beleza digite algo sua opinião. Mas se for para dar vontade de nunca mais olhar na cara da pessoa, passe a vez.

Alguns diriam pra ligar o “foda-se” e ser feliz

Por mim tudo bem se isso quisesse dizer: “Seja você mesmo sem se importar com o julgamento dos outros”. Isso é saudável pra caramba. Mas a proeza está em parar de fazer isso com as pessoas. Afinal não gostamos que ninguém opine sobre as nossas vidas, então beleza, chega de rótulos, chega de preconceito e julgamento. Bem legal se tentássemos escutar mais, mesmo aquilo que o outro tenha a dizer mesmo seja um absurdo aos seus ouvidos.

Bloqueamos, excluímos, paramos de seguir. E isso não gera resultado, não desconstrói nada. Apenas afasta quem pensa diferente de você. Uma atitude dessas apenas descarta qualquer possibilidade de conhecer uma pessoa maravilhosa, que não deixa de ser seu pai, tio, primo, vizinho, amigo e etc, apenas porque é contra o aborto ou a favor de um político bosta.

Leia também: Preciso de mim, nem que seja hoje

As pessoas continuam sendo bem bacanas mesmo com opiniões, gostos, visão política e jeito de se colocar no mundo diferentes dos nossos. Julgue, seja seletivo, faça boas escolhas para sua vida. Mas não se meta no espaço do outro. Afinal, você também tem suas esquisitices e um monte de gente te ama também.

Que tal espalhar mais amor? Ouça se quiser ser escutado. Fale com respeito quando sua opinião for exposta. E sempre respeite o espaço do outro.


Gostou? Deixe sua opinião nos comentários!

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

Tags : LifeStylePatrícia GuolloRespeite o espaço do outroRespeito