Saudade de você

Escrevo como alguém que entende algo e dói. Sim, mais uma vez sinto saudade de você. No entanto, agora acho que entendo melhor essa agonia. E nada substitui ou apaga você segurando minhas mãos nos corredores da faculdade, nos cômodos da nossa casa, nas fotos espalhadas, invadindo nosso quarto.

Sou solidão, acompanhada das lembranças que deixou. Você disse adeus, sem se despedir. Mudou de lugar, de coração. Desistiu de nós, como se o fim, nunca tivesse sido um lindo começo. E não houve gritos, justificativas ou ofensas, apenas silêncio. Na casa, na rua, em mim. Apenas, silêncio.

saudade-cafe-solidao-tomando-cafe-mulher-solitaria-quarto-baguncado-min

Quando o amor se despede, há em tudo uma parte que silencia em segredo, desesperado, solitário. É o fim da história, não do que sinto. A saudade permanece e aumenta. Há dias que choro. Sinto sua falta e me perco em memórias e carências que jamais serão saciadas. E penso em você. Chamo por você. Quero você porque ainda não há distância entre seu nome e o meu. Você não adormece. Você seguiu e o que sei é que, você me dá saudade e o que eu era ao seu lado também.

Leia também: Enquanto não é o fim

Saudade de você

saudade-cafe-solidao-tomando-cafe-mulher-solitaria-min

Então, fico aqui e sentindo saudade do nosso café e das conversas intermináveis. Saudade do beijo na ponta do nariz e nas mãos, do abraço que me doava tudo o que precisava. Saudade dos finais de tarde, de deitar na grama e montar desenhos nas nuvens. Saudade de você. Saudade do amor que vinha de você. De olhar teu rosto e contornar seu lábio. Do seu jeito meio atrapalhado e da forma como ajeitava seu óculos.

Não deixe de ler: Um mal chamado crush

Saudade. Saudade de tudo o que você quis levar, mas que ficou comigo. E tudo se ausenta e dói nesses dias de sol, de chuva e nuvens no céu. Fim, da história. Da nossa estrada. Do altar, vestido, véu. Da cor da sua gravata, combinando com as flores do meu buquê. Fim, da casa. Dos cachorros. Dos filhos. Das viagens. Dos almoços em família nos dias de domingo. Fim, dos encontros. Do sorriso feliz. Dos sonhos…

Agora, o que tenho repetidamente é minha saudade. Dias intermináveis. Xícara de café amarga. Blusas brancas sem seu cheiro. Tudo sem você. Sem fim.

Saudade.

 

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário