Um brinde à mulher bem resolvida

Eu não vou ser o que você espera que eu seja, pode esquecer, aceita. Nada me faz mais feliz do que perambular em minhas próprias verdades. São minhas visões de mundo, criadas pelo meu universo particular que criam minhas melodias.

Nelas eu danço e sambo nas opiniões alheias, sem medo de errar o passo, sem medo de perder o ritmo. E se você não aguenta a altura do meu termômetro pode ir embora. Sou suficiente em meio aqueles que apreciam minha lucidez de mulher desgovernada.

Você precisa ler: Eu não sou obrigada

Os teus padrões não desenham meus anseios, nem esse teu preconceito arcaico. Sou dona de mim e do meu nariz, e que a banda continue a tocar assim. Já tá na hora desse teu cérebro parar de ser tão acanhado. Olha ao redor e desiste, a revolução está batendo em cada porta oprimida, libertando, desconstruindo e revelando a diversidade belíssima que transborda em meio à multidão.

Sei que a minha independência te assusta, mas foi assim que a minha mãe me ensinou

Mulher poderosa

Fui preparada para assumir o meu papel, ignorando muros e cercados que possam me impedir de chegar até aonde eu quero. As tuas regras não são limites pra mim, são obstáculos que deixam tudo ainda mais gostoso de saborear. E sabe, você precisa se acostumar, porque o meu objetivo é passar essa receita às mulheres que eu encontrar na vida.

Então um brinde às mulheres bem resolvidas, um brinde à mudança que chega sem pressa de ir embora. Sejamos livres, intensas, inteiras. Que a aceitação seja o princípio e que a felicidade seja lei. Pois enquanto eu respirar eu vou bater os pés no chão e soltar o verbo ao vento. E você que não acompanha essa evolução um grande abraço. Já que o mundo é daqueles que o habitam, sem restrições.

Você precisa ler: Os homens têm medo dela, porque ela é uma mulher forte

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

SHARE
Previous articleVocê não tem direito de mudar ninguém
Next articleAmiga, você é uma mulher forte!

E entre sons e cores me transbordo em existir. Me apaixono pelo que sinto, sem medo me entrego a vida. Falo muito, rio alto, quero sempre mais música, mais magia, mais seriados. Me distribuo entre o amor pela fotografia e pelos meus livros. Uma Jornalista em constante mutação, sem medo do mundo e com sede de aprendizado.