Vício | #3

Era necessário. No corpo persistia a vontade de me enrolar naqueles braços, que me carregavam em um êxtase cheio de pretensões. Eu não queria amor, queria apenas me divertir naquela barba, naquele corpo. O objetivo era me jogar, sentir, gemer, sem me preocupar com o que vem depois. Não queria ligações nem mensagens de bom dia, só queria que ele me fizesse esquecer o mundo, que ele me afogasse na inconsciência daquela dança de dois. Mas o vício se transformou de uma forma que nem mesmo eu esperava.

Tudo era tão gostoso, desde o começo foi gostoso. Ele tinha um dom difícil de ser encontrado nos dias de hoje, nossa e como tinha. Mas o encaixe perfeito que se revelou entre nós começou a invadir outras partes do corpo, subindo, conquistando outros sentidos que já não eram mais tão carnais assim.

O sorriso dele era tão cheio de alma

Os olhos tão carregados de uma verdade insinuante, repleta de enigmas que eu queria desvendar. Tudo começou a se transformar entre nós, as noites regadas a violão, risadas e cantorias começaram a se tornar cada vez mais frequentes. Os papos mais intensos e a vontade de estar junto era notável. Eu até tentei não me entregar, não me envolver, e ele também tentou. Era uma luta que vinha dos dois lados de uma moeda que não queria compromisso.

Sem nem perceber, o sentimento começou a dominar nós dois. Ele cativava cada vestígio de uma negação que se esforça em persistir. Por meses nós fechamos os olhos, beijamos outras bocas, conhecemos outros caminhos, caminhos esses que sempre acabavam levando um até o outro no final. Mas o sentimento já tinha nascido, não dava mais pra correr, não dava mais pra se esconder. E quando a gente entendeu que era pra acontecer, tudo fez sentido. Nossas vidas foram lapidadas por bagagens diferenciadas, que deveriam se encontrar no mundo para viver o amor.


Esse texto faz parte da série Morada, que traz a história da construção de um relacionamento de três anos. O conto será composto pelas fases mais marcantes, desde os seus primeiros passos.  Perdeu algum texto da série? Clique nos links abaixo e acompanhe!
Match | #1
Degustação | #2

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário

SHARE
Previous articleVamos falar de sexo, disse ela…
Next articleNa sua gaveta
E entre sons e cores me transbordo em existir. Me apaixono pelo que sinto, sem medo me entrego a vida. Falo muito, rio alto, quero sempre mais música, mais magia, mais seriados. Me distribuo entre o amor pela fotografia e pelos meus livros. Uma Jornalista em constante mutação, sem medo do mundo e com sede de aprendizado.